Dom Nappa: “Carisma, evangelização, sinodalidade” as características do caminho das Pontifícias Obras Missionárias

Carisma, evangelização e sinodalidade. Estas são, segundo o arcebispo Emilio Nappa, secretário adjunto do Dicastério para a Evangelização e presidente das Pontifícias Obras Missionárias (POM), as três palavras-chave que melhor descrevem o caminho das POM, que desde hoje até 6 de junho estão empenhadas no habitual Assembleia Geral anual.

Na tarde do dia 31 de maio, durante a abertura da Assembleia, o Arcebispo Nappa agradeceu aos mais de 100 Diretores Nacionais presentes, dando as boas-vindas em particular aos Diretores recém-nomeados, e expressando seus sinceros agradecimentos aos quatro Secretários Gerais pelo inestimável apoio em suas tarefas diárias trabalho e principalmente por este importante evento.

“Todos nós participamos da obra universal do Santo Padre para promover a evangelização em todas as Igrejas e, em particular, naquelas mais necessitadas de testemunho e ajuda” – sublinhou o Presidente, que recordou a sua disponibilidade para ouvir e acolher novas ideias. “Aqui, em Roma, nada fazemos senão coordenar e interpretar a nossa identidade comum: ser instrumentos para a promoção da responsabilidade missionária de todos os batizados e para o sustento das novas Igrejas particulares (art. 67, § 1), como o próprio Papa Francisco recordou na recente Constituição Apostólica Praedicate Evangelium“.

Este é um caminho das POM que tem como traço distintivo o carisma recebido como dom de Deus por meio dos fundadores, o que é particularmente útil em vista da revisão dos Estatutos das POM, a ser realizado a partir da Constituição Praedicate Evangelium; a evangelização, que delineia “a identidade da Igreja”, como reafirmou o Papa na sua Mensagem para a Jornada Missionária Mundial 2022; e sinodalidade.

“À luz dos recentes documentos do Magistério, vejo claramente o triplo compromisso que nos foi confiado – sublinhou o Presidente, insistindo na vertente evangelizadora do caminho das POM. Em primeiro lugar, ajudar as Igrejas particulares na formação de uma fé madura e, portanto, missionária, dos novos batizados e dos já batizados. Em segundo lugar, apoiar as Igrejas particulares com vários subsídios, destinados principalmente à difusão da fé. E, por último, estimular e animar “uma nova época de ação missionária nas comunidades cristãs” (para usar a expressão do Papa Francisco em sua Mensagem para o Dia Missionário Mundial 2022). Tudo isso também em lugares de antiga tradição cristã, “aproveitando” ao máximo o potencial oferecido pela rede capilar mundial existente de direções nacionais e diocesanas das POM”.

Exortando todos a um estilo de vida cristão-missionário que inspire o trabalho comum, o Presidente recordou também a importância de trabalhar em “equipe”, evitando a perigosa tentação do fazer “sozinho”. Dirigiu também aos Diretores algumas sugestões concretas para o futuro próximo: Dar testemunho em lugares de missão que criem comunidade e interesse pela conversão; estudar as formas mais adequadas de oferecer subsídios que produzam o maior bem possível; trabalhar na apresentação de projetos e seus consequentes relatórios; tente criar uma rede que facilite o intercâmbio transparente; e dar formação séria para ajudar os diferentes territórios a terem agentes para a Missão.

“Desta forma – concluiu Nappa – procuramos empenhar-nos ativamente no caminho de “uma cooperação missionária cada vez mais estreita de todos os seus membros em todos os níveis” da Igreja, como sublinhou o Papa Francisco em sua recente Mensagem para a Conferência Mundial deste ano Dia Missionário”.

Fonte: Agência Fides

Outras notícias